Ensaio sobre o entendimento das virtudes



Inevitavelmente, há muitas questões intrigantes, sob um aspecto dialético, sobre se a valorização de fatores subjetivos precede das considerações acima? Nada se pode dizer, pois transcende os limites da razão. O movimento interno da consciência de si a própria faculdade não causa um impacto significativo, por conta do caráter lógico-discursivo da apercepção transcendental. Dizer que eu sou apenas uma esfera da mente afirmará a mente da mesma forma, pois a determinidade simples e a vitalidade singular sucede de um critério ontológico para determinar as pressuposições do Ser.

Do mesmo modo, a intuição sensível potencializa a influência de uma metafísica da presença? Cabe ao leitor julgar. Mas, segundo essa oposição, não podem estar juntas na unidade simples de seu meio, já que a totalidade da existência, enquanto constituinte da realidade, pode nos levar a considerar a reestruturação da validade das premissas tomadas como verdadeiras? Mas é claro! Uma fisiognomia do ser precisa se distinguir das demais artes, na medida em que revela uma realidade superior, a qual teremos que analisar, maximiza as possibilidades, num sentido alético-modal, por conta da justificação da necessidade de uma unidade sintética da apercepção transcendental.

A imutabilidade do espírito sustenta o Dasein, tornado manifesto, consiste na objetificação do mero fato de a percepção nos ser dada. Neste sentido, existem duas tendências que coexistem de modo heterogêneo, revelando a percepção quanto ao mundo mantém, no objeto, a imagem da multiplicidade que se encontra presa num objeto, numa estrutura de crescimento. A determinação da categoria como ser para si impõe a valorização de fatores subjetivos implica na condição necessária e suficiente da relação entre a visão e o mundo. O eu presente na história, enquanto perspectiva dialética, não põea determinação ou essência desses sistemas, que não está no orgânico como tal, propõe, pelo princípio da individuação, o surgimento de categorias meta-conceituais a priori. O corpo da individualidade determinada pretende, de maneira sucinta, revelar o universo de discurso dos eventos não pode jamais se dissociar da intelectualidade enquanto faculdade ativa? Difícil responder, ainda há sobre o que se ponderar. No entanto, não podemos esquecer da síntese da imaginação produtiva imediatamente toma como pressuposto a necessidade da determinação do Ser enquanto Ser.

O Ser é em-si e para-si, e o aspecto de ser a consciência repelida sobre si mesma, e mantém, no objeto, a imagem da multiplicidade que se encontra presa num objeto, numa estrutura de crescimento. O corpo da individualidade determinada pretende, de maneira sucinta, revelar a consciência imersa no ser da vida é uma consequência direta do mero fato de a percepção nos ser dada. De fato, porém, por serem ambos o universal ou a essência, o universo de discurso dos eventos maximiza as possibilidades, num sentido alético-modal, por conta do caráter lógico-discursivo da apercepção transcendental. Como seria possível uma episteme pura? Ora, basta considerar que o ser em-si, e propõe, pelo princípio da individuação, o surgimento da determinação final daquilo que é tomado como o saber. A matemática imanente, a que chamam de matemática pura, não põe o objeto inessencial de si para si traz à tona uma construção transcendentalmente possível do sistema de conhecimento geral. Quanto à alusão à experiência universal, é patente que o comportamento dessa consciência, a ser tratado de agora em diante, renuncia à razão, a despeito do dualismo ontológico das filosofias pré-hegelianas? Deixemos a questão em aberto.

Não é difícil perceber que a consciência imersa no ser da vida respeita o conteúdo produzido em função do mero fato de a percepção nos ser dada. De fato, porém, por serem ambos o universal ou a essência, a coisa em si mesma demonstraria a incompletude da maneira do Ser carente de espírito. Se uma das premissas é assertórica e a outra, problemática, a unidade sintética original, advinda da mesma fonte das categorias, deve mostrar que é possível efetuar a intersubjetivação da mesma fonte da qual as categorias puras emanam. A filosofia, ao contrário, não considera que a necessidade de renovação conceitual pode nos levar a considerar a reestruturação do Deus transcendente a toda sensação e intuição cognitiva. A determinação da categoria como ser para si impõe o encontrar material dos atributos, em que necessariamente precisa haver um fim, acarretam necessariamente na manifestação da dissimetria dos dois tipos de polissemia epistêmica. O eu presente na história, enquanto perspectiva dialética, não põea síntese da imaginação produtiva descreve a alavancagem da maneira do Ser carente de espírito.

Pode-se argumentar, como Hegel genialmente fizera, que a própria concepção do Eu, que transcendentaliza, de certa forma, a origem da humanização do sujeito e da animalização do homem. Ora, a própria concepção ontológica do Ser em Heidegger deixa claro que a inter-independência da objetivação e subjetivação acarretam necessariamente na manifestação do mero fato de a percepção nos ser dada. É, pois, de admirar que se sustente contra essa experiência a totalidade da existência, enquanto constituinte da realidade, antecede do sistema de conhecimento geral. De fato, porém, por serem ambos o universal ou a essência, a intuição sensível mantém, no objeto, a imagem daquilo que é pressuposto como condição necessária para o puro agir.

Uma posição análoga defende que a totalidade da existência, enquanto constituinte da realidade, é consequência de uma abordagem anti-realista, como a do problema da identidade pessoal? É um questionamento importante. A análise da movimento das consciência de si um juízo reflexionante do agir transcendental, que imediatamente toma como pressuposto a necessidade de uma metafísica da presença? Cabe ao leitor julgar. Neste sentido, existem duas tendências que coexistem de modo heterogêneo, revelando a inter-independência da objetivação e subjetivação acarretam necessariamente na manifestação da definição espinosista de substância. Nesses momentos conjuntamente, a coisa está completa como o verdadeiro da percepção, o que não põe a própria concepção do Eu, que descreve a alavancagem da justificação da necessidade de uma unidade sintética da apercepção transcendental. Se uma das premissas é assertórica e a outra, problemática, o aspecto de ser a consciência repelida sobre si mesma, e traz à tona uma construção transcendentalmente possível da aparição não-cromática do som em um continuum infinito.





Gerador de lero-lero de filosofia. Sou capaz de gerar 81.261.724.749.004.800.000 frases diferentes.
Ainda estou em fase de desenvolvimento, posso ser disléxico às vezes.
Dê F5 para gerar um novo texto.
(Javascript é necessário para trocar o tipo de filosofia)

Feito por Nicholas Ferreira